Sabe qual é a resposta certa para que pernambucanas e pernambucanos de todo o estado, seja no litoral, na Zona da Mata, no Agreste ou no Sertão, se protejam de diversas doenças e contribuam para a saúde de Pernambuco por inteiro? A vacina.

Ao procurar o posto de saúde mais próximo para manter a caderneta de vacinação atualizada, o risco de você adoecer e transmitir vírus e bactérias é reduzido. Isso evita que surjam novas epidemias e salva muitas outras vidas além da sua. Por isso que a vacina, além de ser um direito individual, é também um dever coletivo.

Sabia que foi a vacinação que diminuiu a incidência de doenças que matavam milhões de pessoas, como coqueluche, sarampo e rubéola? Graças à vacina, algumas outras doenças bem graves foram erradicadas do mundo, como a varíola. A poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, devido à vacina, encontra-se em fase de erradicação no Brasil. Mas essas enfermidades podem voltar a assolar nosso estado e o país se a gente não se cuidar.

Todas as vacinas são seguras porque, antes de serem aprovadas e chegarem até você, são rigorosamente testadas. E continuam sendo monitoradas no mundo inteiro, em busca de qualquer sinal de risco à saúde. Função que, no Brasil, é realizada pela Anvisa.

Que tal conferir agora mesmo se a sua caderneta de vacinação está em dia? Independentemente da sua idade, ou do município pernambucano que você esteja, vá até o posto de saúde mais próximo e atualize a sua caderneta de vacinação. Somente tomando todas as doses de reforço indicadas para a sua idade a sua proteção é máxima. Para a sua saúde ficar em dia, vacina é a resposta certa.

RESPOSTA CERTA OU FAKE NEWS?

Não dá para acreditar em tudo o que chega pelo WhatsApp e sair repassando sem checar as informações em fontes confiáveis. Principalmente quando estamos tratando de um assunto tão importante quanto a vacina. Por isso, preparamos perguntas baseadas em algumas fake news que têm sido divulgadas. Ajude a divulgar as respostas certas.
  • Vacina contra sarampo provoca autismo?

    Essa foi uma das maiores fake news sobre vacina. Essa notícia surgiu após um “estudo” fraudulento que ligava a tríplice viral a casos de autismo. A mentira foi refutada por inúmeros artigos científicos e o responsável por ela teve seu registro cassado.
  • A BCG funciona mesmo sem deixar marca no braço?

    A resposta certa é sim. A ausência da cicatriz ou marca não indica falta de proteção vacinal. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que não seja feita a revacinação, pois ela não traz benefícios adicionais.
  • Vacina contra gripe deixa a gente gripado?

    A resposta certa é não. A vacina é feita com vírus inativado. Isso significa que a chance de contrair a doença pela vacina é zero. A vacina protege contra a influenza, mas você pode pegar um resfriado ou gripe de outro vírus em circulação.
  • É melhor ser imunizado pela doença do que pela vacina?

    A resposta certa é não. Os riscos de não se vacinar são excessivamente maiores do que eventuais reações que as vacinas poderiam causar. As doenças podem ter graves consequências e até levar à morte.
  • Vacina pode causar sequelas a longo prazo?

    A resposta certa é não. As doenças é que podem ter sérias consequências. Os eventos adversos esperados após a vacinação, se houve, ocorrem apenas nos primeiros dias após a imunização.
  • Quem tem imunidade baixa deve se vacinar?

    A resposta certa é sim. As contraindicações são apenas para portadores de HIV, pacientes em tratamento quimioterápico ou com imunossupressores e pessoas imunodeprimidas, cujo sistema imunológico funciona pouco ou não funciona.
  • Grávidas podem tomar vacina?

    A resposta certa é sim. Há várias vacinas liberadas e recomendadas durante a gestação, como contra gripe, difteria/tétano/coqueluche, hepatite B, influenza e Ccovid-19. Elas protegem a gestante e o também o bebê.
  • Vacinas causam microcefalia no bebê?

    A resposta certa é não. Mas, para evitar dúvidas no diagnóstico, caso o feto tenha algum problema durante a gestação, vacinas com vírus atenuados, caso da dupla viral (rubéola e sarampo) e da tríplice viral (rubéola, sarampo e caxumba) não devem ser aplicadas durante a gravidez.
  • Precisa mesmo tomar vacina contra doenças que estão controladas?

    A resposta certa é sim. O controle dessas doenças só aconteceu por causa da aplicação das vacinas. Para que elas não voltem, é fundamental receber todas as vacinas preconizadas no calendário do Programa Nacional de Vacinação do Ministério da Saúde para manter as coberturas vacinais elevadas.

Calendário Vacinal

O Programa Nacional de Imunizações (PNI) disponibiliza, gratuitamente, os imunizantes para as salas de vacinas municipais de acordo com o calendário de vacinação específico para recém-nascidos e crianças, bem como para pré-adolescentes e adolescentes, adultos, idosos e, ainda, para gestantes.
Criança
DOWNLOAD
Adolescente
DOWNLOAD
Adulto/Idoso
DOWNLOAD
Gestante
DOWNLOAD

Esquema Vacinal – Covid-19

GRUPO PRIORITÁRIO INTERVALO ENTRE DOSES
Pessoas de 60 anos ou mais 6 meses
Pessoas que vivem em instituições de longa permanência (ILPI e RI) e seus trabalhadores Anual
Pessoas imunocomprometidas 6 meses
Indígenas Anual
Ribeirinhos Anual
Quilombolas Anual
Gestantes e puérperas 6 meses
Trabalhadores da saúde Anual
Pessoas com deficiência permanente Anual
Pessoas com comorbidades Anual
Pessoas privadas de liberdade (≥ 18 anos) Anual
Adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas Anual
Pessoas em situação de rua Anual

Perguntas Frequentes

Abaixo você encontra as principais respostas.

Sim. No Brasil, todas as vacinas disponibilizadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) são gratuitas.

Cada município possui a sua própria rede de vacinação. Desta forma, é importante checar com a prefeitura, secretaria municipal de saúde ou uma unidade de saúde os locais de vacinação mais próximos da sua casa.

Os municípios organizam a vacinação de acordo com suas demandas e realidades. É importante que o cidadão procure as informações disponibilizadas pela gestão municipal da sua cidade na internet, em sites ou aplicativos oficiais.

Não. Elas não têm o poder de modificar o código genético de células humanas.

Sim. Os antiagregantes plaquetários não implicam impedimento à vacinação e devem ser mantidos. O uso de injeção intramuscular em pacientes com uso crônico de antiagregantes plaquetários é prática corrente; portanto, considerado seguro. Não há relatos de interação entre os anticoagulantes em uso no Brasil com vacinas. Portanto, deve ser mantida a utilização conforme a prescrição do médico assistente. Por cautela, a vacina pode ser administrada o mais longe possível da última dose do anticoagulante direto. Esses pacientes podem ficar com hematomas no local da aplicação da vacina. O recomendado é colocar gelo por 5 minutos após a vacinação, para diminuir o risco.

As vacinas que estão no calendário básico de vacinação sim.

Sim. As vacinas são seguras e eficazes e foram aprovadas e atestadas pela Anvisa.

As vacinas são seguras, mas algumas pessoas podem ter efeitos colaterais leves depois de tomarem uma vacina, como dor no local da injeção e febre baixa, principalmente as crianças.